domingo, 16 de abril de 2017

Cristo Venceu a morte corporal e a morte sobrenatural.


1. Cristo Venceu a morte corporal 

A morte natural é a separação da alma do corpo. Sem dúvida nós todos temos de morrer, porque todos somos filhos de Adão pecador: porém depois da morte de Cristo, a nossa morte é sem pavor; porém, depois da ressurreição de Cristo, é certíssima a nossa ressurreição.

A) Depois da morte de Cristo, a nossa morte é sem pavor. As dores da nossa agonia serão unidas as dores da agonia de Cristo, e torna-se-ão purificação da nossa alma. Os temores e as tristezas dos últimos dias serão unidos aos temores e as tristezas de Cristo, e acender-se-ão de uma serena esperança. 

B) Depois da ressurreição de Cristo, a nossa ressurreição é uma certeza. Nós também nos tornamos filhos de Deus; incorporados a Ele, que ressuscitou, nós também ressuscitaremos. 
 Dia virá em que não mais haverá túmulos neste mundo: "a vida devorará a morte, o Imortal tragará o mortal. Então, ó morte, onde estará a tua arrogância ? o teu dardo fatal onde estará? Agradecido seja Deus, que uma grande vitória nos dá por meio de Jesus Cristo Nosso Senhor". (I Cor., XV,54-57) .

 Mas, se o corpo de um homem foi aniquilado por uma bomba ou foi devorado por uma fera na floresta, ou por um peixe no fundo do mar, como poderá ressurgir? "Tolo!- responde São Paulo,- que coisa pode corromper-se de tal maneira que a mão do criador não possa revocá-la à vida? Aquele que lhe deu a vida uma primeira vez não saberá dar-lhe uma segunda ? Mas olha a semente, mas olha o verme: a semente morre e se desfaz na terra, e depois ? depois ressurge como ágil espiga ao ar e ao sol; o verme transforma-se em crisalida rígida e imóvel, e depois ?"depois ressurge como colorida borboleta ao ar e ao sol".
 Não vos dai conta, vós, de que nós somos vermes..
 Nascidos pra formar a angélica borboleta ? (purg., X,124-5).

2. Cristo venceu a morte sobrenatural.

 A morte sobrenatural é a separação entre a alma e a graça. Esta separação sucedeu primeiramente pelo pecado de Adão, em consequência do qual todo homem nasce com a alma morta para a graça.
 Pois bem: Cristo, morrendo e ressurgindo, venceu a morte sobrenatural. De dois modos Ele nos comunica o fruto da sua vitória.
 A) De um primeiro modo, comunica-no-lo santo Batismo: o homem imerso na água batismal significa que se une a paixão do Senhor e com ele morre para o pecado; quando sai dela, é um homem novo, que Cristo chama a compartilhar com ele a nova vida, a sua vida gloriosa.
 B) De um segundo modo, Cristo no-lo comunica na santa Confissão. Todas as vezes que o pecado mortal nos separa da graça, Ele nos oferece o sacramento da confissão: o homem que se ajoelha e se humilha e se arrepende diante do confessor, une-se a paixão do Senhor e morre ao pecado; depois da absolvição levanta-se como uma criatura nova a quem Cristo restituiu a sua vida gloriosa.
 Lembrai-vos: quem não tiver feito uma boa confissão, não terá a vida de Jesus, não participará do mistério da sua ressureição, não faz a santa pascoa.
 A vida sobrenatural que Cristo nos deu no santo Batismo, e que, se a tivermos perdido, Ele nos restitui na santa Confissão, ele proprio no-la alimenta na sagrada comunhão.
 Todas as vezes, pois, que nos aproximarmos da Eucaristia, o sacerdote, persignando-nos com a Hóstia, diz-nos: "O Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo guarde a tua alma para a vida eterna". E, depois de recebermos no coração o vencedor da morte, devemos dizer-lhe: "Corpo de Cristo, salvai-me..." Já ouviste, já dissestes estas palavras nestes dias de pascoa ?... Se não quiserdes ouvi-las, se não quiserdes dize-las, vos iludis de a  escapardes da morte sobrenatural.

 Conclusão.

 Os antigos navegadores narravam a pavorosa historia de uma certa ilha que, no meio das tempestades, aparecia diante das naus sacudidas pelos vagalhões. Mas, apenas algum incauto, iludido por um sonho de repouso ou de prazer, ancorava nela a sua embarcação, logo a ilha se afundava, arrastando para o fundo nau e navegadores. (ADRIANO, indicam cap.31).
 No mar agitado da vida, a sedução dos prazeres , das riquezas, das honras, frequente vezes cria diante de nos a miragem da olha da felicidade. Ai dos incautos que nela ancoram a sua alma! vem a morte e tudo afunda. 
  Ancoremos em Cristo, porque Ele é o único que não foi tragado no batismo da morte. Ele venceu a Morte.
 Quem se mantém ancorado nEle, não afunda na morte, mas viverá eternamente.

Pensamentos Sobre os Evangelhos e sobre as festas do Senhor e dos Santos, Padre João Colombo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário