sexta-feira, 9 de junho de 2017

Sacrifício



Amadíssimas filhas, esta palavra assusta - sacrifício -; porém esta é a lei do verdadeiro amor, e o verdadeiro amor, que obriga a abraçar esta lei, contrária a vontade do homem, pois o amor só é saciado nesta lei do sacrifício. 

Ouço muitas vezes dizerem-Me: Senhor, como gostar do amargo? O que dizer a estas almas? Para estas almas é necessário que o amargor das penas seja envolto com o Meu exemplo. 

O que se passou na Minha vida de Redentor, desde o seio de Maria até os últimos momentos, foi uma vida de sacrifícios, porque sofri no seio de Maria, tendo que conter os ímpetos do Meu coração ardente, que desejavam, irradiar-se, mostrando aos homens Minha missão salvadora! Portanto, Minha vida foi ininterrupta de sofrimentos! 
Agora vos pergunto, almas que Me desejais seguir: Podeis Me seguir por outra via a não ser a do sacrifício? Mas, que fazer para gostar desta lei tão penosa? Lembrar-se do Paraíso, que vos deve dar a força para trilhar este caminho tão semeado de espinhos! 

Dizem muitas almas que se deve abraçar o sacrifício, sem interesse de recompensa. Eu não vos falo assim, porque o céu sou Eu mesmo, e como não Me desejar se Eu sou o bem infinito!

Amadas filhas, porque há tão poucas almas, que amam o sacrifício? Porque poucas são as que olham para o céu e o que nele as espera, donde nasce a pusilanimidade de tantas almas, que desfalecem no caminho da perfeição.

Lembrai-vos de que a lei do sacrifício sendo a lei do amor, dá à alma merecimentos. Podia Eu abrir-vos as portas da Jerusalém Celeste com um ato de Minha vontade, mas assim não quis, porque o sacrifício é o melhor ato de reparação que se pode dar à pessoa ofendida. Refleti um pouco qual seria a melhor reparação se uma de vós ofendesse a um amigo, e, para reparar essa ofensa, lhe enviásseis uma soma importante em vez de irdes pessoalmente e prostrardes ante quem ofendestes a lhe pedir perdão e uma penitência? Seria certamente a de irdes pessoalmente, fazendo um sacrifício e um ato de humildade diante da pessoa ofendida. 

Vede amadas filhas, como o sacrifício é meritório, por isso o homem dele tem necessidade. Vede na antiga lei, Abraão - ofertando-Me seu único filho em holocausto, além de outros tantos que vós sabeis. O amor pede sacrifício, pois onde não há sacrifício não há amorMas, porque o sacrifício é necessário? Porque humilha e lembra ao homem, que, acima de si, estou Eu, ao qual deve obedecer com amor. E para obedecer é necessário sacrifício; é este o primeiro dos mandamentos, amar-Me e servir-Me neste mundo, para depois eternamente gozar. Mas para Me amar neste mundo, é necessário o desprezo de si, porque não se pode amar ao mundo e a Mim; pois quem se ama a si, ama o mundo, suas paixões e suas inclinações.

Tenho tão poucos amantes, porque poucos são os que se desprezam, pois, desprezar-se é a suma da sabedoria e quem se despreza por Meu amor, verdadeiramente se ama. 

De pouco importa a um homem amar-se, se um dia for por Mim desprezado, porque quem se ama na carne, não pode amar sua alma, visto como a alma, que de Mim saiu, suspira por Mim, enquanto que a carne deseja comprazer-se no mal, porque ela é filha do mal. Por isso todo o homem que desejar seguir-Me tem de se desprezar, mas para se desprezar, é necessário abraçar a lei do sacrifício, submetendo-se amorosamente ás cinzeladas do Meu amor, o qual torna a alma refletor de Minhas qualidades. 

Amadas filhas, onde foi que Meu amor mais brilhou? O Meu amor e Minhas qualidades brilharam como o sol na Minha Sagrada. Paixão. Oh! vede Minha humildade no Getsêmani, tomando sobre Mim um fardo pesado de crimes nojentos, e apresentando-Me ao Pai como um criminoso. A humildade, vós bem sabeis, é uma qualidade de Meu coração, e no Getsêmani ela brilhou, porque Me apresentei ao Pai como pecador, e o Pai como pecado Me tratou! 

Pergunto-vos, amadas filhas, este ato de humildade não Me custou sacrifício? Sim, e tremendo sacrifício, que Me fez suar sangue! E agora, sereis capazes de tomar sobre vós os opróbrios de um condenado e, em seu lugar, sofrer tantas humilhações? Que Me respondeis a isso, almas que Me amais? ... Poucas serão as que Me possam dizer: Senhor eu sofreria tudo isto por este pobre infeliz. Assim vos falo porque vejo que nem as penas insignificantes, nem humilhações de pouco valor não sois capazes de recebê-las como filhos submissos!

Vede como as Minhas qualidades brilharam e como os que são pusilânimes se mostram no sacrifício! 

Amadas filhas, onde brilhou Minha mansidão? Não foi no Tabor, mas no sacrifício, quando, coroado de espinhos, refulgiu como o sol! Na Flagelação a Minha mansidão iluminou o céu e a terra, oh! Sim... até aos céus chegaram os clarões desta luz vivíssima, que pela terra se espargiu, ficando como luz de tantos corações, que um dia iam compreender esta doutrina de amor, porém, rodeada de pungentes espinhos!

Oh! como brilhou a Minha mansidão, quando os algozes Me arrastaram pelas ruas, e quando os pobres soldados, na prisão, fizeram de Mim o que suas paixões lhe inspiraram! ... 

Vede como é no sacrifício que se mostra o valor, que se mostra a virtude! 

E como Me provareis, vós, que sois mansas, se não for na hora em que esta virtude vos custe sacrifício? E' só na hora do sacrifício que posso dizer que sois mansas. 

Em ser manso sem sacrifício não há merecimento, porque este nasce no sacrifício e por Meu amor... 

Vede como deveis amar o sacrifício, como garantia de vossa entrada na Jerusalém Celeste, porque foi com a sua chave que se abriu essa porta para vos dizer que é por ele e com ele que vos mostrei as qualidades do Meu Coração... 

Vede-Me no alto da Cruz em hora tão angustiosa, dando-vos Maria por Mãe. Esperei esta hora para vos entregar tão rico tesouro, porque desejava que hoje compreendêsseis o valor do sacrifício, sem o qual o amor perderia seus encantos!

O amor sem sacrifício torna-se diante de Mim de pouco valor, porque o que lhe dá valor é o sacrifício.

Uma árvore que não produz para que serve? Para ser lançada ao fogo. O mesmo é o amor sem sacrifício, não tem valor, porque não dá frutos, por isso será lançado ao fogo, pois o sacrifício são os frutos do verdadeiro amor. 

Amadas filhas, porque o sacrifício é tão desprezado? E' porque poucos são os que meditam na Minha Sagrada Paixão! 

Vede os meus Santos tão sedentos de sacrifício, porque foram amantes de Minhas penas e dores, e nelas souberam sugar força e luz para poderem Me imitar. 

Oh! não vos iludais, sem sacrifício não há santidade nem amor por Mim, porque, como já vos disse, o amor verdadeiro produz frutos e estes frutos são os desejos de se sacrificar pela Minha glória.

Mas, reconhecendo vossa fraqueza e vendo como esta lei do sacrifício custa para ser abraçada, convido-vos a meditar no que vos está preparado para depois deste curto exílio! Está preparado o que vossos olhos não podem ver hoje, o que vossos ouvidos não podem escutar, e o que vosso coração não pode experimentar. E porque todas estas coisas hoje não podeis ver nem escutar, nem sentir? Porque se isto sentísseis e escutásseis, este exílio não seria o lugar de merecerdes, portanto, almas minhas, abraçai o sacrifício e sereis sábias, porque sábio é o que despreza o efêmero e abraça o eterno.

Abraçai esta lei de amor e sereis saciadas do Meu ardente amor.

Vosso Jesus Cristo, o qual viveu e morreu no sacrifício.

Pelas mãos de Maria, do Reino do Amor.


(O bom combate na alma generosa, autora anônima, Instituto das Missionárias de Jesus Crucificado, 1936.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário